Cadastre-se e receba novidades:

Nome


E-mail

Kurdish – Stud Capitão

Final Road – Haras do Morro

Acteon Gaúcho – Stud Hulk

Quarteto de Cordas – Haras do Morro

Ombak Bagusse – Haras Clark Leite

Escasa – Haras do Morro

Roi Plantegenêt – Stud Nunes de Miranda

Isola Di Fiori – Haras do Morro

Dracarys – Ronaldo Cramer Moraes Veiga

Lookforthestars – Haras do Morro

Agassi – Stud Verde

Verso e Prosa – Stud Ilse

Last Hope – Coudelaria Jessica

Ghoul – Stud Verde

Famous Italian – Stud Palura

Risada Gaucha – Coudelaria Pelotense

Violino Solo – Haras do Morro

Gone Hollywood – Stud Verde

Palpite – Haras Clark Leite

Original Sin – Stud Gold Black

Jade Runner – Stud Palura

Obscene – Stud Gold Black

Candieiro – Stud Gold Black

Madame Renata – Stud Palura

Gaelic Princess – Coudelaria Atafona

Rio Plantagenêt – Stud Nunes de Miranda

Gotenks – Stud Gold Black

Energia Icon – Stud Snob

Casual Elegance – Ronaldo Cramer Moraes Veiga

Duvida – Ronaldo Cramer Moraes Veiga








Junho | 2018

Páreo Corrido, por Paulo Gama
12/06/2018 - 09h59min

Gerson Martins

A GLORIOSA SINFONIA DE QUARTETO DE CORDAS

Quarteto de Cordas, castanho de criação do Beverly Hills Stud, e propriedade do Haras do Morro, obteve, no último domingo na Gávea, a maior consagração possível de um puro-sangue em território nacional: vencer o Grande Prêmio Brasil. O belo nome deste filho de Rock Of Gibraltar sugere que o seu triunfo representou autêntico concerto musical de uma orquestra sinfônica das mais afinadas. O cearense Luís Esteves, um treinador no mais absoluto auge de sua profissão, foi sem dúvida o maestro desta maravilhosa conquista. Talentoso, ousado e desprendido, Esteves chegou ao bicampeonato da prova. Na temporada passada havia obtido a vitória pela primeira vez com Voador Magee, do Stud Eternamente Rio.

Porém, o brilhante profissional não parou por aí. Além do triunfo na prova máxima do turfe nacional, somou ainda mais quatro vitórias clássicas com Desejada Poty, do Stud Escorial, na Prova Especial Mensageiro Alado, versão fêmeas, no Clássico OSAF, com Festa Pronta, do Stud Verde, NO GP IFHA, com See The Sky, do Haras Mabruk, e com Kusko Cat, do Stud Mendonça, na Prova Especial Quick Chance. Vale registrar ainda o segundo lugar de Memory Of Love, do Stud Mendonça, no Grupo I do GP Jockey Club Brasileiro, o segundo, o terceiro e o quinto lugar de Voando Sorrindo, Efetivo Bull e Ghoul, respectivamente, no Grande Prêmio Major Suckow, o segundo lugar de Tiepollo, do Haras Mabruk, na milha internacional e o quinto de Tiro ao Alvo, na mesma prova. Ufa! Que baita desempenho individual. Luís Esteves será lembrado para sempre como o grande personagem da semana do GP Brasil de 2.018.

O jovem Luan Silva Machado, jóquei do campeão, trata-se de um bridão talentoso, irrequieto, e que já tentou por duas vezes melhor sorte fora do país. Esteve no turfe norte-americano e, posteriormente, nos Emirados Árabes. O sucesso demorou a chegar no exterior. E lá veio ele de volta ao turfe carioca. Nesta incansável procura por cortar caminho, pegar um atalho e alcançar logo o ápice na profissão, Luan formou parceria das mais proveitosas com Luís Esteves. E teve recompensada esta inquietação no último domingo. Num percurso principesco derrotou em cima do disco o recordista mundial, Jorge Ricardo, que por pouco não alcançou o tricampeonato da prova magna, no dorso de Arrocha, do Haras Estrela Nova. Um páreo épico! Inesquecível! 

JOQUEADA DA SEMANA

Impossível destacar outra melhor direção do que a dada por Luan Silva Machado em Quarteto de Cordas no Grande Prêmio Brasil. Páreo numeroso. Raia de grama irregular devido a semana chuvosa. Presença de jóqueis consagrados, entre eles, Carlos Lavor, Jorge Ricardo, Francisco Leandro, Ângelo Márcio Souza, Marcos Mazini Valdinei Gil, entre outros. E o bridão gaúcho soube se fingir de morto no meio das feras. Fez percurso primoroso, irretocável e preciso feito um relógio suíço. Uma direção para a eternidade...

PURO-SANGUE MELHOR APRESENTADO

Ildefonso Coelho Souza é um treinador vitorioso. Com passagem em algumas das principais coudelarias do turfe nacional. E quem já foi rei nunca perde a majestade. Serginho, titular do Stud Best Friends, esteve longe do turfe por alguns anos. Recentemente decidiu resgatar a sua paixão. E o fez com a corda toda. Sem perda de tempo colocou os seus puros-sangues sob a responsabilidade do Souza. E a liga foi imediata. Não sei dizer entre a líder da geração de potrancas, Bay Ovar, ou o agora líder entre os potros, Inforcer, qual deles estava mais lindo nos galopes de apresentação. Mas os dois triunfos de Grupo I e II, respectivamente, facilitaram a escolha. Parabéns ao Ildefonso por colocar as coisas no seu devido lugar. Dedicado, detalhista e acostumado a cuidar de craques desde os tempos de Villach King, ele apresentou os dois puros-sangues em forma perfeita na semana do GP Brasil. E parabéns ao Serginho por ter voltado ao nosso convívio. Oportunidade para a gente poder desfrutar do seu conhecimento, da sua alegria e do seu enorme coração.

O REI DA MILHA

Roberto Solanês é um rival complicado em qualquer prova clássica. Na distância de 1.600 metros, entretanto, ele é quase imbatível. Apesar da pouca idade, o treinador coleciona agora cinco vitórias no Grande Prêmio Presidente da República, no turfe carioca. Em 2.009, ele ganhou a prova com Olympic Ellection, do Haras Regina, em 2.012, com Conclusivo, do mesmo proprietário, com Maltês, do Stud Malta, em 2.013, com Invader, do Stud Estelinha, em 2.016. E agora, o mesmo Invader, chegou ao bicampeonato, em 2.018. A direção de Ângelo Márcio Souza foi impecável.

O FOGUETE DO JAMIL

Qualquer turfista atento aos dois triunfos anteriores de Habile Bobby, de Jamil Name, no Paraná, e, posteriormente, na sua estreia em São Paulo, no Hipódromo de Cidade Jardim, não tinha dúvida de que seria difícil a sua derrota no GP Major Suckow. Com expressiva vantagem de peso contra os mais velhos, ele se manteve invicto nas pistas e se impôs de ponta a ponta. Bem apresentado por M. Decki e com direção precisa de Waldomiro Blandi, o filho de Shanghai Bob comprovou ser o melhor velocista do país depois de ter atuado em três hipódromos diferentes.

FANCIFUL, UMA DAS JOIAS DA LETRA F

Numa geração brilhante com Feminine, Fly First Class, Future Queen, entre outras, Fanciful cumpriu o seu papel e levou o Grande Prêmio Roberto e Nelson Grimaldi Seabra. Christiano Oliveira apresentou a sua pensionista em forma exuberante e Valdinei Gil esteve soberbo em seu dorso numa raia pesada, que está longe de ser a de preferência de sua pilotada. Parabéns a toda a equipe.

VISITANTES DE TODOS OS CANTOS

A festa do turfe carioca foi prestigiada por turfistas de todo o Brasil. Delegações de quase todos os estados marcaram presença. Os pernambucanos estiveram em peso mais uma vez. Um abraço para o meu amigo Erb, de Recife, turfista bastante interessado e que me surpreendeu pelo conhecimento do esporte e a simpatia. Gostei de ver o colega Marcos Rizzon bem mais leve, segundo ele, com menos 54 quilos. Presença carimbada nos eventos turfísticos, Rizzon flanava nas dependências do prado com a sua nova silhueta. Os paranaenses, gaúchos e cearenses também se destacaram. O jogo um cavalo na frente do outro teve como destaque absoluto o Chico Couro Grosso, um nordestino sempre imbatível nesta modalidade. Um abraço aos forasteiros e até o ano que vem.




<< Anterior Próxima >>










12.887

12.844















Coudelaria Atafona

Coudelaria FBL

Coudelaria Intimate Friends

Coudelaria Jessica

Coudelaria Pelotense

Haras Clark Leite

Haras Iposeiras

Haras Depigua

Haras do Morro

Haras Old Friends

Haras Planície

Haras Vale do Stucky

Jorge Olympio
Teixeira dos Santos

Ronaldo Cramer
Moraes Veiga

Stud 13 de Recife

Stud Brocoió

Stud Cajuli

Stud Capitão

Stud Cariri do Recife

Stud Elle Et Moi

Stud Everest

Stud Gold Black

Stud Hulk

Stud Ilse

Stud La Nave Va

Stud Palura

Stud Quando Será?

Stud Recanto do Derby

Stud Rotterdam

Stud Spumao

Stud Terceira Margem

Stud Turfe

Stud Verde

Stud Wall Street

  Associação Carioca dos Proprietários do Cavalo Puro-Sangue Inglês