Cadastre-se e receba novidades:

Nome


E-mail

Melhor Maneira - Stud Verde

Matheus Julio - Stud Best Friends

Costa Azzurra - Stud H & R

Inforcer - Stud Best Friends

Hispaniola Time - Haras Iposeiras

Paris Seis - Haras do Morro

Atafona Beach - Coudelaria Atafona

Jackson Pollock - Stud Verde

I Saw Everything - Stud H & R

Melhor Maneira - Stud Verde

Kim Bessinger - Stud H & R

New Prada - Stud Everest

Northern Bold - Jorge Olympio Teixeira dos Santos

Nepal - Haras Figueira do Lago

Gone Hollywood - Stud Verde

Mais Que Bonita - Stud Eternamente Rio

Guaruman - Haras Planície

Parigi - Haras Clark Leite

Oitenta Por Hora - Stud Happy Again

Allister - Stud Eternamente Rio

Penélope Charming - Haras do Morro

Menina Veneno - Haras Figueira do Lago

Neusely - Haras Figueira do Lago

Queijadinha - Haras do Morro

Pepsi-Queen - Jorge Olympio Teixeira dos Santos

Atafona Beach - Coudelaria Atafona

Dracarys - Ronaldo Cramer Moraes Veiga

Madison - Haras Figueira do Lago

Kasablanca - Stud H & R

Mais Que Bonita - Stud Eternamente Rio







Colunista: Jéssica Dannemann

Foi dada a largada, por Jéssica Dannemann
25/05/2012 - 16h08min

O desrespeito ao Estatuto não vai fazer o “presidente” sair pela porta dos fundos.

Introdução

A origem é Socrática, ou seja, do filósofo grego Sócrates, tratar uns com justiça e outros com injustiça; ter condutas diversas diante de situações idênticas; aplicar a lei ou a regra com mais ou menos rigor, de acordo com a conveniência, assim o “presidente” consegue, ao medir algumas vezes o mesmo objeto, encontrar pesos diferentes.

Para a eleição vale a Lagoa, para aprovação das contas não vale a Lagoa; para a frieza dos números só serve o Centro, para a tentativa de escapar do “corredor da morte”, vale tudo. Pelo menos a porta dos fundos é una, indivisível.

O “presidente” não vai conseguir fugir dela no 31 de Maio tão logo acabe a contagem das urnas, sejam elas quantas forem, em quantos lugares estejam disponíveis; não haverá agravo que desagrave a justiça que será feita com a sua partida, mas não será pela ruptura dos Estatutos e Regimentos, que o algoz cruzará os muros, será por algo ainda mais desagradável.

Acusações

Leio, escuto e vejo uma relação interminável de argumentos muito sólidos contrários ao “presidente”, que vão desde episódios ligados à gestão, até os fatos mais escabrosos e inusitados noticiados na revistas, jornais e até na TV, como os carros da Polícia Federal invadindo o clube atrás de documentos para comprovar prática de crimes.

Na minha visão, porém, isso tudo ainda não é o mais relevante.

Por mais que ele tenha assustado até a população de Damasco, Cabul, Bagdá, Trípoli, Hanói, e outras mais – acostumadas a emoções fortes e vidas perigosas –, com as suas bravatas latino–americanas, nada é tão relevante quanto a maldade que ele demonstrou possuir no coração.

A mancha eterna na “carreira”

O que sempre me importou foram os golpes baixos do “presidente” ao perseguir os profissionais que dedicaram suas vidas ao JCB, tentando despejá–los de suas próprias casas, suspendendo o mísero Plano de Saúde de pessoas pobres, muitas delas que tinham parentes internados, alguns em estado muito grave.

O que sempre me importou foi o número de empregos no campo que o “presidente” fez desaparecer ao longo de quatro anos, quando conseguiu expulsar peças importantes do tabuleiro da criação nacional  com os seus R$ 80.000.000,00 (oitenta milhões de reais) de prejuízo no turfe, jogando a culpa de uma inabilidade na suposta “crise hípica mundial”, que só existia na cabeça dele.

O que sempre me importou foram milhares de máquinas caça–níqueis de uma empresa espanhola que o “presidente” tentou enfiar goela abaixo dos sócios do clube e de suas famílias – a revelia de todos –, como se tudo fosse propriedade dele: o imóvel; a história; a dignidade; e a segurança do clube.

O que sempre me importou foram os silos do armazém das Vilas Hípicas, destruídos na calada da noite em represaria ao fato dele não ter podido satisfazer a especulação imobiliária, por não ter conseguido alienar sem concorrência o pulmão do Jockey Club Brasileiro, 160 mil metros quadrados de uma das áreas mais valorizadas da cidade.

O juízo final

No entanto, o que me importa agora é ver o JCB livre do “presidente”; livre de uma administração monocrática; livre das vaidades; livre das fomes pretéritas; livre dos prejuízos e livre de tudo aquilo que hoje impede a recuperação do clube e que inibem o Jockey Club Brasileiro de retomar a sua importância no cenário hípico mundial.

O que me importa agora é saber que a instituição vai poder reencontrar a  paz; vai conseguir restabelecer a alegria; vai reaver a confiança dos clientes e adeptos de uma atividade centenária; vai poder, enfim, respirar, sem a ajuda de aparelhos, abandonando a fantasia de “doente”, imposta cruelmente, hábito que nunca pretendeu vestir.

Final

O “presidente” perdeu o bem mais precioso que alguém pode ter: o respeito das pessoas. Ele perdeu o respeito dos funcionários e perdeu também o respeito dos jóqueis, aprendizes, treinadores e demais prestadores de serviço, seguido hoje apenas por quem, infelizmente, é dependente da sua marcha solitária.

A técnica para preparar um bom prato já está escrita, ela foi desenvolvida pelos mais antigos, pelos mais sábios e mais prudentes, todos aqueles que tentam agregar elementos estranhos à culinária, acabam estragando a receita do bolo.



<< Coluna anterior Próxima coluna >>



[ Escolher outro colunista ]










12.992

12.844



















Coudelaria Atafona

Coudelaria FBL

Coudelaria Intimate Friends

Coudelaria Jessica

Coudelaria Pelotense

Haras Clark Leite

Haras Iposeiras

Haras Depigua

Haras Figueira do Lago

Haras do Morro

Haras Old Friends

Haras Planície

Haras Vale do Stucky

Jorge Olympio
Teixeira dos Santos

Ronaldo Cramer
Moraes Veiga

Stud Brocoió

Stud Cajuli

Stud Capitão

Stud Cariri do Recife

Stud Cezzane

Stud Embalagem

Stud Everest

Stud Gold Black

Stud H & R

Stud Hulk

Stud Ilse

Stud La Nave Va

Stud Palura

Stud Quando Será?

Stud Recanto do Derby

Stud Rotterdam

Stud Spumao

Stud Terceira Margem

Stud Turfe

Stud Verde

Stud Wall Street
  Associação Carioca dos Proprietários do Cavalo Puro-Sangue Inglês