Cadastre-se e receba novidades:

Nome


E-mail

Manancial - Stud Everest

Till To Disc - Haras do Morro

Madame Indy - Stud Palura

Eagle Beach - Stud H&R

Hale Bop - Stud HRN

Gone Hollywood - Stud Verde

Festa Pronta - Stud Verde

Manancial - Stud Everest

Madame Indy - Stud Palura

Agassi - Stud Verde

Atafona Beach - Coudelaria Atafona

Mafioso Luy - Stud Cajuli

Gata Voadora - Stud Verde

Penelope Charming - Haras do Morro

Agassi - Stud Verde

Isola Di Fiori - Haras do Morro

Historieta - Stud Snob

Hervadaninha – Stud Palura

Jurere Girl – Stud H & R

Cuca Morena – Jorge Olympio Teixeira dos Santos

Adaga do Rei – Haras do Morro

Ultimaforma – Stud Verde

Maestro da Serra – Stud Cajuli

Escasa – Haras do Morro

Garbo Talks – Haras do Morro

Ba Victoria – Stud Cezzane

Tea Time – Stud Nunes de Miranda

Garra – Haras Do Morro

Fletcher – Stud Snob

Jamegão - Haras do Morro







Colunista: Mário Rozano

De Turfe um pouco..., por Mário Rozano
10/08/2011 - 13h53min

TURFE NÃO É APENAS UM JOGO É UMA PAIXÃO

No domingo passado o Jockey Club Brasileiro reuniu em seu aprazível Hipódromo da Gávea, um público estimado em torno de 15.000 pessoas para acompanhar a disputa do 79º Grande Prêmio Brasil, tradicional e mais importante prova do turfe nacional.

Com transmissão ao vivo pela rede Globo e cobertura de seus veículos, o que pareceu para muitos um grande sucesso, foi na verdade um evento isolado e distante do seu antigo status de duas décadas atrás, tanto pelo apaixonado turfista, que mesmo presente no hipódromo demonstrou preocupação com os rumos que o esporte caminha no país, como pelo espectador atraído pela emoção e beleza que somente uma corrida de cavalos proporciona.

Em uma atividade que gera desenvolvimento e divisas, além de envolver em torno de 13 mil profissionais no Brasil conforme recente estudo da Fundação Getúlio Vargas –, se torna urgente uma reformulação no gerenciamento e administração da atividade no conceito e no local que é o formador da base e do fundamento do esporte: os hipódromos.

São nos hipódromos que residem profissionais – jóqueis e treinadores; possuem cocheiras e equipamentos que abrigam uma significativa parcela de animais que treinam diariamente  e possibilitam a formação da programação dos páreos nos finais de semana; dos pequenos proprietários, de prestadores de serviços de toda ordem e dos apaixonados pelo turfe, são os responsáveis pela receita e pela movimentação das corridas o ano inteiro.

Mas apesar de todos os percalços que o turfe vem sofrendo no país, a paixão existe e permanece inalterada, e isto é o principal e deve ser preservado de todas as formas. Paixão pelo turfe não é como a paixão pelo futebol. O turfe sempre vai sobreviver como paixão, o futebol, ou melhor, os clubes de futebol inspiram um amor que beira o partidarismo, contudo, hoje em dia, a paixão é pelo gol, porque o espetáculo do futebol, com certeza não é o mesmo de antes.

No turfe, além do espetáculo de uma carreira que jamais vai terminar, a vida é muito menos no espetáculo público do que nos seus aspectos mais íntimos. O turfe proporciona saborosos contratempos intelectuais. No futebol a torcida é pelo time, é a paixão pelo clube, pelo partido. Quando o clube vence ou perde, é o nosso time, o nosso clube. No turfe tudo é diferente. Para  saber a possibilidade de vitória de um cavalo, é necessário enfrentar um verdadeiro emaranhado de situações, um exercício mental ponderando inúmeros quesitos: o peso do cavalo? Do jóquei? Da colocação no partidor? Da pista? Da distância? Das últimas atuações? Dos concorrentes? E por aí vai, não é apaixonante? Todos estes fatores trazem consigo a sedução de um enigma a ser decifrado. Não se escolhe um cavalo por simpatia ou beleza, afinal, o turfe não é um jogo de azar, isto é um privilégio do apostador profissional, do jogador compulsivo, é do amor ao vício.

Para o turfista, o cavalo que em sua opinião vai vencer o páreo é o produto de um problema exclusivamente seu restrito ao seu raciocínio, e após minuciosa análise crítica de probabilidades – inclusive selecionando palpites ou buscando em especialistas do meio as ditas “barbadas” ou a “poule de dez”. Isto tudo torna o turfe fascinante, lembra uma partida de xadrez, e por consequência, uma atividade intelectual.

O turfe é divertimento, descontração e esporte, e para quem está dentro do turfe, está participando de uma intensa atividade, sobre tudo normal, humana, social e economicamente viável para o conjunto da sociedade.



Próxima coluna >>



[ Escolher outro colunista ]










12.967

12.844















Coudelaria Atafona

Coudelaria FBL

Coudelaria Intimate Friends

Coudelaria Jessica

Coudelaria Pelotense

Haras Clark Leite

Haras Iposeiras

Haras Depigua

Haras do Morro

Haras Old Friends

Haras Planície

Haras Vale do Stucky

Jorge Olympio
Teixeira dos Santos

Ronaldo Cramer
Moraes Veiga

Stud Brocoió

Stud Cajuli

Stud Capitão

Stud Cariri do Recife

Stud Cezzane

Stud Elle Et Moi

Stud Everest

Stud Gold Black

Stud H & R

Stud Hulk

Stud Ilse

Stud La Nave Va

Stud Palura

Stud Quando Será?

Stud Recanto do Derby

Stud Rotterdam

Stud Spumao

Stud Terceira Margem

Stud Turfe

Stud Verde

Stud Wall Street
  Associação Carioca dos Proprietários do Cavalo Puro-Sangue Inglês