Cadastre-se e receba novidades:

Nome


E-mail

Melhor Maneira - Stud Verde

Matheus Julio - Stud Best Friends

Costa Azzurra - Stud H & R

Inforcer - Stud Best Friends

Hispaniola Time - Haras Iposeiras

Paris Seis - Haras do Morro

Atafona Beach - Coudelaria Atafona

Jackson Pollock - Stud Verde

I Saw Everything - Stud H & R

Melhor Maneira - Stud Verde

Kim Bessinger - Stud H & R

New Prada - Stud Everest

Northern Bold - Jorge Olympio Teixeira dos Santos

Nepal - Haras Figueira do Lago

Gone Hollywood - Stud Verde

Mais Que Bonita - Stud Eternamente Rio

Guaruman - Haras Planície

Parigi - Haras Clark Leite

Oitenta Por Hora - Stud Happy Again

Allister - Stud Eternamente Rio

Penélope Charming - Haras do Morro

Menina Veneno - Haras Figueira do Lago

Neusely - Haras Figueira do Lago

Queijadinha - Haras do Morro

Pepsi-Queen - Jorge Olympio Teixeira dos Santos

Atafona Beach - Coudelaria Atafona

Dracarys - Ronaldo Cramer Moraes Veiga

Madison - Haras Figueira do Lago

Kasablanca - Stud H & R

Mais Que Bonita - Stud Eternamente Rio







Colunista: Jéssica Dannemann

Foi dada a largada, por Jéssica Dannemann
20/12/2010 - 13h17min

“Sonho de uma noite de verão”

Na obra de Shakespeare o cenário era a Grécia, na nossa história, as não menos míticas Vilas Hípicas. Se trocarmos a sinopse dos personagens, talvez pudéssemos descrever essa nova versão de horror magia e realidade com a mesma dimensão do grande dramaturgo.

Egeu, impopular presidente de um clube hípico aflito em busca da glória, procura a ajuda de Teseu, grande herói das águas das piscinas para forçar Hérmia, uma cocheira de 84 anos de idade, a casar–se com Demétrio, um conhecido empreiteiro do nordeste do Brasil. Decidida por viver ao lado de Lisandro, um perseguido puro–sangue–inglês, Hérmia, ameaçada de morte por Egeu, busca refugio junto aos homens de bem no bosque do Jardim Botânico.   

Na obra daqueles seres élficos com personagens mitológicos, a Lei não dava direito a que as pessoas decidissem sobre o futuro, punindo com a pena de morte qualquer desobediência. Aqui, embora a pena de morte já tivesse sido decretada, mesmo que em desobediência à própria “Lei” do turfe, as pessoas de bom senso conseguiram evitar que alguém viesse a transformar o nosso clube, num monstro com cabeça de asno, apelidado indecentemente de Boulevard. 

A única coisa que difere a ficção da realidade, é que apesar da coincidência pelas múltiplas confusões provocadas nas duas fábulas, eu creio que não haverá por aqui nenhum interessado em se divertir do desfecho.

Essa passagem será guardada de forma triste, como sendo uma das páginas mais negras da história do Jockey Club Brasileiro, conhecida que será doravante, como sendo o dia em que um grupo pequeno de visionários, disfarçado de heróis, tentara em vão se apoderar do futuro das corridas de cavalo.

Porém, nem só de final triste vive o desastre. Nesses quase três anos, os grupos de cocheiras com a transferência proibida, impedidos de serem modernizados, provocaram um substancial prejuízo ao patrimônio do clube e um imenso retrocesso na atividade hípica.

Muitas coudelarias foram inibidas de debutar, como outras fardas tiveram que ser engavetadas por conta dos tratores que rumavam em comboio na direção da nossa história, tal como aqueles anfíbios da Marinha que vimos recentemente. Uns em busca da paz, e outros para provocar a discórdia.

O clube inteiro foi transformado numa imensa campanha publicitária, onde o foco, no seu dia–a–dia – de um outrora promotor das mais emocionantes corridas de cavalo – passou a ser o de uma sociedade empreendedora de projetos imobiliários; do respeitado esporte dos reis ao desprezível doente terminal, apenas um passe de mágica.

O JCB passou a ser divulgado na mídia através de relatos grotescos entoados pelo seu próprio “presidente”, que não poupou palavras para espalhar o terror pelas páginas das revistas e dos jornais, deflagrando uma crise institucional sem nenhum precedente na história do clube, afirmando que a instituição estava morrendo.

Mesmo que o desastre de demolir as Vilas Hípicas não tenha passado de um outro "sonho de uma noite de verão", seria importante, daqui pra frente, que os sócios do JCB, um pouco mais instruídos da importância desse segmento para o futuro da sociedade, utilizassem corretamente, na visão do clube, o sumo da flor do amor perfeito.

Mas eu creio, assim como aconteceu com a obra de Willian Shakespeare, que demorou séculos para encontrar o seu merecido reconhecimento, que somente daqui a muitos anos, as pessoas vão render conta do perigo que o JCB correu nas mãos dessa gente que tentou de todas as formas colocar escritórios comerciais no lugar das cocheiras do hipódromo.

Cômico se não fosse trágico.



<< Coluna anterior Próxima coluna >>



[ Escolher outro colunista ]










12.992

12.844



















Coudelaria Atafona

Coudelaria FBL

Coudelaria Intimate Friends

Coudelaria Jessica

Coudelaria Pelotense

Haras Clark Leite

Haras Iposeiras

Haras Depigua

Haras Figueira do Lago

Haras do Morro

Haras Old Friends

Haras Planície

Haras Vale do Stucky

Jorge Olympio
Teixeira dos Santos

Ronaldo Cramer
Moraes Veiga

Stud Brocoió

Stud Cajuli

Stud Capitão

Stud Cariri do Recife

Stud Cezzane

Stud Embalagem

Stud Everest

Stud Gold Black

Stud H & R

Stud Hulk

Stud Ilse

Stud La Nave Va

Stud Palura

Stud Quando Será?

Stud Recanto do Derby

Stud Rotterdam

Stud Spumao

Stud Terceira Margem

Stud Turfe

Stud Verde

Stud Wall Street
  Associação Carioca dos Proprietários do Cavalo Puro-Sangue Inglês